Doenças causadas por pragas

DESCUPINIZAÇÃO

Cupins e Brocas de madeira seca
Sua residência corre perigo?
Cupins e Brocas oriundos do campo para as áreas urbanas, invadem casas, apartamentos etc… atacando e devorando qualquer tipo de madeira, lambris, batentes, guarnições, livros, tecidos, mobílias e peças de madeira infestadas frequentemente apresentam a superfície externa aparentemente intacta, onde a parede interna foi consumida de tal forma a permanecer apenas uma “casca” fina e quebradiça. Nota-se volumosa quantidade de residuos fecais (cupim madeira seca= grânulos) e (brocas pó fino, variando de cor conforme a idade do resíduo e o tipo de madeira. Colônias de cupins e brocas mais antigas podem se estender por toda a peça e atingir outras próximas ou materiais nelas contidos. Pensando na sua tranquilidade, que oferecemos nosso tratamento que consiste em um potente cupinicida, recomendado para controle preventivo e curativo de cupim, brocas, carunchos.

Cupins Subterrâneos
Os inimigos silenciosos estão chegando!
Os cupins são insetos sociais que vivem em colônias, podendo chegar a milhões de indivíduos que desempenham várias funções (operários, soldados, reprodutores e reprodutores substitutos). Alimentam- se basicamente de celulose e derivados, escavando galerias em estruturas de madeira, móveis e livros. Encontram junto ao homem um ambiente repleto de alimento e livres de inimigos naturais, infestando assim nossas moradias e causando prejuízo na ordem de milhões de reais ao ano. Existem basicamente 2 grupos de cupins:
-Cupins de madeira seca: vivem em colônias estabelecidas em peças de madeira e são independentes de qualquer contato com o solo, não necessitam de uma fonte externa de umidade.
-Cupins subterrâneos: formam seus ninhos sobre a superfície da terra em outro local seguro e abrigando- se em caixões perdidos, porões, forros, necessitando sempre de uma fonte abundante de umidade em suas buscas por alimentos, os operários saem dos ninhos escavando galeria pelo solo.
Ao avançar em ambiente aberto, constroem túneis de proteção contra luz e dessecação agregando partículas de solo e fezes. Desta maneira, os cupins alcançam e danificam madeiras a dezenas de metro de distância. Ao infestar uma casa, os cupins de solo vão se utilizar de fendas e orifícios para o alimento, penetrando assim por juntas de dilatação, ao redor de dutos e por rachaduras. Após penetrar nas instalações, vão se deslocar via rodapés, batentes, lambrio, conduítes de eletricidade e por traz de azulejos e lajotas, podendo inclusive perfurar paredes de alvenaria. Uma vez instalados vão atacar com voracidade todos os alimentos disponíveis (livros, roupas, móveis, assoalho, vigamento) aumentando progressivamente o tamanho da colônia, quando iremos notar os primeiros sinais da infestação, como os túneis de proteção nas paredes e rodapés. Por se tratar de um problema complexo o combate a cupins subterrâneos exige do controlador de pragas uma técnica apurada que visa interromper a destruição nos pontos atacados e prevenir o ataque a novos pontos. Isto é possível isolando-se a construção do(s) ninho(s) de cupins através da formação de uma barreira química protetora interna ou externa.

Controle de pragas  
Roedores: Controle com processo de armadilha “isca” ou cola que espanta e mata todas as espécies de roedores, tais como:
*ratazana;
*rato de esgoto;
*rato de telhado;
*rato preto;
*camundongos;
*ratos de mata (silvestre).

Os produtos serão armazenados em portas iscas com símbolo de veneno, visando a segurança, pois mantém longe as pessoas que trabalham nos locais a serem tratados, além de proteger os produtos das intempéries.
Para conviver próximo aos seres humanos entre todas as vantagens o rato é capaz como nenhuma outra espécie animal nocivo de adaptar-se ao meio ambiente do homem como quem passa a conviver confortavelmente tornando-se um animal indesejável por excelência, um animal com o qual o homem convive contra a vontade,
por isso o controle desta praga por meio de desratização é extremamente necessária, para que tenhamos êxito.
Devemos conhecer biologicamente o máximo possível sobre os mesmos, seus hábitos/características além do mal que provoca, devemos levar em consideração todas as doenças que os mesmos causam direta e indiretamente sendo que, os roedores são portadores de vírus tais como: leptospirose – tifo – peste bubônica – anta virose.
Convém lembrar que o manejo integrado a higiene do local e cuidados de não deixar restos de comida em locais desprotegidos, também dificulta a procriação dos ratos.
 
Controle de pombos
Pombos um símbolo da paz, porém perigosos
O crescimento continuo da população de pombos nos centro urbanos vem causando danos a população e ? considerada hoje como uma calamidade sanitária em todo mundo .

O grande número de pombos na cidade se explica pela fácil adaptação dos animais aos centros urbanos.
Nesses lugares, as aves não possuíssem inimigos naturais como gaviões e podem se alimentar de qualquer tipo de alimento oferecido pelo homem, além de ter ao alcance várias possibilidades de abrigos . O maior problema acarretado ta na saúde publica.As aves são hospedeiras demais de 50 espécies de ectoparasitos responsáveis por inúmeros transtornos, alergia e dermatites . Essas árvores podem transmitir também, mais de 60 enfermidades contagiosas aos seres humanos e animais. Altamente acidas, as fezes dos pombos também são responsáveis por danificar materiais como madeira, vigas de telhados, forros, pintura de carros e monumentos históricos.Como os pombos não podem ser abatidos o controle ? de apenas repelência, ou seja deve-se afastar as aves da área e nunca mata-lás, que pode ser feito por métodos físicos.Instalação de barreiras que impeçam o pouso da ave, como alinhamento de fios, espículas ou telamento, ou químico, como uso de gel ou pastilha repelentes, que não matam, mas não são suportados pelos animais

Biologia
Classificação: filo chordata
Classe: aves
Ordem: columbiformes
Família: columbidae
Nome cientifico: columba Lívia
Nome popular: pombo ou pomba
Ciclo de vida: média de at?15 anos
Incubação dos ovos: 17 a 18 anos
Fase de maturidade: 6 a 8 meses
Ninhada por ano: de 5 a 6
N?de filhotes: de 1 a 2

Morcegos – Afinal quem são estes bichos?

Os morcegos são mamíferos pertencentes ?Classe Mammalia que caracteriza-se por animais vertebrados, possuidores de corpo coberto de pêlos e que nutrem seus filhotes no início de seu desenvolvimento por leite secretado pelas glândulas mamárias das fêmeas. Esta classe ?subdividida em 19 ordens, entre as quais encontramos a dos Chiroptera, onde estão agrupados os morcegos. Algumas espécies j? estão ameaçadas de extinção. O nome Chiroptera origina-se de Chiro = mão e Ptero = asa, isto ? animais com a mão transformada em asa. ?a segunda ordem em número de espécies, com aproximadamente 1000 espécies identificadas. São os únicos mamíferos com capacidade real de vôo, propiciada pela membrana que une 4 dos 5 dedos do membro anterior, formando a asa. Outras espécies, como o esquilo-voador, apenas planam, após saltar de lugares altos. Os morcegos ocorrem em quase todo o planeta, s?não sendo encontrados em locais muito frios como nos pólos. São em geral pequenos, na grande maioria não excedendo 100 gramas de peso.

A ordem Chiroptera ?dividida em duas subordens: os Megachiroptera com uma única família Pteropodidae, e os Microchiroptera, que inclui todas as outras famílias. Infelizmente, estes termos são um tanto quanto enganosos, j?que alguns dos Megachiroptera são menores do que certos Microchiroptera. Apresentam hábitos crepusculares e noturnos e parte significativa das espécies orienta-se pela ecolocalização, emitindo sons de alta freqüência, inaudíveis ao homem, que ao esbarrar em algum objeto, retornam sob a forma de eco. Os morcegos estão em quase todo o planeta, exceto naqueles locais muito quentes ou muito frios e em algumas ilhas isoladas. Eles estão em todos os continentes menos na Antártica. Os morcegos hematófagos são encontrados apenas na América do Sul. Em ilhas muito longe dos continentes existem raras espécies de morcegos, fica muito difícil para os morcegos cruzarem grandes distâncias sobre os os oceanos para chegar at?l? No Brasil nós temos morcegos de norte a sul, a quantidade de espécies varia de região para região, mas eles estão em todo nosso país.

Principais abrigos de morcegos:
nossas casas (forros, sótãos e porões, frestas na paredes e marquises)
construções abandonadas
torres e forros de Igrejas
cavernas e grutas
túneis, bueiros e passagens de gado sob as rodovias
silos
pontes
cisternas ou poços
copas e folhagens de árvores e arbustos
vãos de dilatação de prédios
ocos de árvores
fossos de elevadores
estábulos
cachoeiras

Como os Pombos, os morcegos não podem ser abatidos, o controle ?de apenas repelência , ou seja, deve se afastar da área e nunca mat?los que podem ser feitos por métodos físicos. Instalações de barreiras que impeçam adentrar em abrigos indesejáveis, como fechamento de fendas, aberturas, telamento ou aplicação de gel ou pastilhas repelentes.

DESINSETIZAÇAO
Pulgas – Cuidado com estas parasitas.
As pulgas possuem mais de 1.000 espécies, das quais algumas centenas são encontradas na América Latina. Ocupam um lugar destacado como transmissoras de enfermidades, mantendo constantes preocupações da saúde, ao atacarem as pessoas, causando alergias, irritações, doenças contagiosas e perda de sangue. Vivem parasitariamente em animais domésticos, gados, roedores e morcegos e se reproduzem entre seus pelos ou colocando ovos em lugares sujos ou empoeirados das casas. As pulgas de ratos doentes são muito perigosas ao abandonar seu primeiro hospedeiro elas passam a picar animais domésticos e os próprios seres humanos, transmitindo-lhes doenças.

Baratas – Insetos Nocivos.
As baratas são os mais antigos seres vivos do planeta, conhecidas h?mais de 300 milhões de anos, permanecem semanas e semanas sem água ou comida. Adaptam-se às mais variadas condições do meio ambiente e transmitem ao ser humano doenças como tifo, desinteria, hepatite, alergias, leptrose e outras, contaminando alimentos com o contato de seu corpo ou através de sua saliva ou excrementos. Das 4.000 espécies existentes, duas são as habituais invasoras caseira: a germânica (B.germânica) e a americana (P. americana).Uma simples fêmea de barata germânica pode, num s?ano, ser responsável pela proliferação de milhares de descendentes.

Formigas
As formigas são insetos que pertencem a família formicidae, da qual j?foram descritas cerca de 10 mil espécies. As formigas vivem em grandes colônias que podem se formar no subsolo, no interior de troncos ou at?em ambientes artificiais, como o espaço entre os tijolos, chão de cimento, parede de azulejo e condutores de fios de residências.A formiga pode se alimentar de pequenos animais mortos, frutos, sementes, flores ou folhas de plantas, além de diversos itens presentes na alimentação humana, principalmente aqueles ricos em açúcar, como doces, biscoitos, massas, etc. As formigas são insetos sociais e apresenta uma clara divisão das tarefas necessárias ?manutenção das colônias. As formigas que habitam áreas urbanas, vivendo em jardins ou mesmo no interior da residência, podem representar um problema para o homem sendo consideradas pragas. Afinal, quem nunca teve um pedaço de bolo atacado por esses insetos .
Alguns danos causados pelas formigas :
?nbsp; choque anafilático;
?nbsp; transportam vírus, bactérias e fungos

Traças
Estão em 3 grupos de insetos reunidos em 2 ordens , as traças dos livros ou traças prateadas, as traças das roupas, e produtos armazenados, ambas pertencentes ?ordem lepidóptera (mariposas e borboletas ). As traças têm preferências por ambientes úmidos e não muito arejados e apresentam hábitos diurnos e noturnos, sendo ativa a noite e escondendo se durante o dia evitando contato direto com a luz, assim ao acender a luz de um aposento estas pragas procuram rapidamente se esconderem em frestas de móveis, assoalhos ,rodapés e caixas sendo este o ultimo o principal veiculo de dispersão do inseto, levada a junto de livros e utensílios domésticos em residências as traças podem infestar roupas, papeis, estofados, livros, frutas secas, grãos ou outros alimentos armazenados . A dedetização elimina por completo a infestação americana (P. americana).Uma simples fêmea de barata germânica pode, num s?ano, ser responsável pela proliferação

Eliminação direta dos insetos mais comuns encontrados em áreas urbanas, como: baratas, pulgas, formigas, aranhas pequenas, traças, etc. Sempre utilizando produtos de última geração, produtos tanto nos formatos líquido (inseticida líquido=pulverização tradicional), sólidos (inseticidas em forma de “p? de contato”) e sob forma de gel (inseticida totalmente inodoro), sendo este último a técnica atual contra as baratas ?mais moderna e eficiente pois além de ser totalmente inodora, elimina através do processo de coprofagia (Em outras palavras, efeito domin?, as baratas adultas e suas crias (filhotes ou ninfas), salientando também que não h?nescessidade de dessocupar as pessoas dos locais tratados, inclusive crianças, facilitando e sendo na atualidade o processo mais utilizados em creches, hospitais, clínicas geral, asilos, prontos-socorros, e locais nos quais possuam pessoas com muita sensibilidade